You are currently viewing A procura pela audiodescrição cresce durante 2021

A procura pela audiodescrição cresce durante 2021

Fabiana Droppa, designer e audiodescritora faz uma retrospectiva e destaca a alta procura para a realização do serviço de audiodescrição. De acordo com o levantamento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 45,6 milhões de pessoas tem algum tipo de deficiência, seja visual, auditiva, motora, mental ou intelectual e muitas delas não tem acesso à cultura e informação.

“De maneira resumida, a audiodescrição é a arte de transformar imagens em palavras o que abre uma janela para o mundo de milhares de pessoas. “

BENEFÍCIOS

O recurso possui diversos benefícios como: acesso à informação e à cultura, entendimento maior dos programas de tv, filmes e peças de teatro, exposições, independência e autonomia, instrumento de inclusão, assim como mais compreensão também para idosos, pessoas com dificuldade de entendimento, com algum déficit cognitivo ou disléxicos.”E para quem descreve, ampliamos o desenvolvimento da observação, de síntese, vocabulário e criamos também oportunidade de trabalho, o audiodescritor pode ser roteirista, narrador e consultor, que obrigatoriamente deve ser uma pessoa com deficiência visual e que tenha estudado para esse tipo de tradução.”

SEGMENTOS DIVERSOS

Este ano atendemos a diversos eventos e segmentos como: Centro Cultura Banco do Brasil sobre acessibilidade digital, Oxiteno – empresa química global, Conexão pelo Clima & Climate Ventures Summit 2021, Fundação FEAC, Semana Aracaju Acessível, Sesc Santo Amaro / SP, Musical Desconto, temporada do Monólogo Bárbara estrelado por Marisa Orth, Youtube Summit criadores com deficiência entre outros, ocasionalmente surgem também ebook acessível, roteirização e narração de vídeos institucionais.

O trabalho ocorre juntamente com o consultor em audiodescrição Lucas Aribé e a transmissão acontece na plataforma web Beplay.

Por fim, “Tenho expectativas boas para 2022. Estamos no caminho certo, e o sonho é que as pessoas mudem suas mentalidades e que incluam cada vez mais as pessoas com deficiência em sua rotina, a convivência nos transforma”, finaliza Fabiana Droppa.

Deixe uma resposta